Porto Alegre, 19 de Agosto de 2018

O venerável Varela estará presente nas intervenções do Papa em Cuba

Entrevista com o postulador da beatificação do patriota cubano: ‘Não está programada a sua beatificação nesta viagem’. A positivo sobre o ‘hermano Victorino’ será apresentada em breve

A figura do venerável Félix Varela, sacerdote e patriota cubano, estará presente durante a visita que o Papa Francisco fará a Cuba do 19 ao 22 de setembro próximos, embora não esteja programada que possa ser declarado ‘beato’.

A informação foi repassada à ZENIT na última sexta-feira, 28, pelo postulador da causa de canonização do patriota cubano, o hermano de La Salle, Rodolfo Meoli, que considerou que o Papa Francisco “certamente nomeará o venerável Felix Varela em suas intervenções".

"Não está previsto que o venerável Felix Varela seja declarado beato, pois seria necessário um milagre", disse. Apesar de que reconheceu que "o Papa poderia dispensar o milagre como tem feito em alguma ocasião. Embora, eu acho, que sendo postulador, de alguma forma teria tomado conhecimento, mas nada foi falado até agora”.

Recordou que o Papa Bento XVI quis levar à Cuba na viagem apostólica que realizou do 27 ao 29 de março de 2012 “como presente”, o decreto que declarava o servo de Deus como venerável, ou seja, um homem que tinha praticado as virtudes heroicas.

Esclareceu que “o próximo passo para o venerável será a beatificação, embora, para isso, Deus deverá fazer um milagre pela intercessão de Félix Varela". Acrescentou que alguns milagres foram registrados, mas "sem a documentação médica necessária ou as testemunhas devidas, por conseguinte, não podem ser usados no processo que o declara beato”.

O postulador também deu outra notícia: que a 'positio' do religioso de la Salle, que viveu em Cuba, ou seja, a documentação estruturada sobre a vida do Hermano Victorino Arnaud Pagès, atualmente servo de Deus, está na Congregação das Causas dos Santos esperando a apresentação do Relator.

Recordou que “os irmãos de La Salle tivemos mais de 20 escolas em Cuba, até a revolução liderada por Fidel Castro. O Hermano Victorino foi o fundador da Ação Católica, despertou muitas vocações e realizou outras obras grandiosas.

Por seu trabalho apostólico recebeu o prêmio Nacional ‘Carlos Manuel de Céspedes’, o Doutorado honoris causa em Direito Público da Universidade de Santo Tomás de Villanueva; a Cruz "Pro Ecclesia et Pontífice" de sua Santidade Pio XII; e o Governo francês concedeu-lhe da Legião de Honra", em 1955, no 50º aniversário de sua chegada à ilha do Caribe".

Questionado sobre a presença dos Irmãos de La Salle em Cuba, disse que atualmente existem só duas presenças de irmãos, que colaboram com os párocos.

Padre Félix Varela

Padre Varela é considerado um dos forjadores da nação cubana. Nasceu na Havana em 1788. Aos 23 anos, foi ordenado sacerdote na Catedral da Havana e nomeado professor de filosofia, física e ética no seminário da capital aos 24 anos. Lá preparou o primeiro laboratório de Física e Química do país.

Na história da cultura cubana, o Padre Félix Varela ocupa um lugar de absoluta preeminência pela sua contribuição ao desenvolvimento da cultura nacional, pelo seu acentuado patriotismo e sua nítida virtude. Foi professor, educador e modelo de piedade para seus discípulos. Em 1821, aos 34 anos, foi eleito deputado e enviado como representante de Cuba às Cortes de Madrid.

Os três projetos de lei que fez durante a sua estada em Espanha foram: de um governo para as províncias ultramarinas; da independência e da abolição da escravatura. Sobre as províncias ultramarinas, escreveu: "As leis são umedecidas e enfraquecidas ao cruzar o oceano e são substituídas pelas vontades do homem”.

Não conseguiu fazer passar nenhuma dessas propostas e depois da restauração do absolutismo real em 1823 teve que deixar a Espanha; não podendo voltar para Cuba exilou-se nos Estados Unidos, de onde, em Nova Iorque, continuou sua luta.

Foi um sacerdote exemplar, realizou escolas, construiu igrejas e evangelizou os pobres e os imigrantes para ajudá-los a integrar-se. Morreu nos Estados Unidos, 25 de fevereiro de 1853. Seus restos mortais estão enterrados na Aula Magna da Universidade da Havana.

Nascido na passagem crucial de dois séculos, soube apropriar-se das preocupações das perguntas da razão, preservando a essência da cultura cristã e, ao mesmo tempo, abrindo às novas exigências do pensamento.

Em 1981, o governo de Cuba cria a Ordem Felix Varela, como o maior prêmio do país.