Porto Alegre, 19 de Agosto de 2018

Entrevista com Pe. Eduardo Dougherty,sj, sobre encontro mundial de TVs

“A benção de Deus é muito grande, e nós devemos partilhar tudo o que nós somos e tudo o que nós temos cada vez mais”, afirma Pe. Eduardo

Em entrevista, Pe. Eduardo Dougherty,sj, Idealizador da Rede Século 21 e Vice-presidente da Signis, destaca o trabalho das emissoras católicas e a oportunidade de partilhar experiências e conhecimento no 14º Seminário Internacional de TV, organizado pela Associação Católica para a Comunicação, SIGNIS, em conjunto com a Signis Brasil.

O evento está sendo realizado entre os dias 22 e 25 de agosto, em Aparecida, com o tema “Conhecer a sua audiência: chegar às periferias".

“As TVs ficarão muito impressionadas com as coisas maravilhosas que estão acontecendo aqui no Brasil”, afirma Pe. Eduardo, que destaca ainda a oportunidade das TVs se conhecerem e desenvolverem projetos em comum, partilhando conhecimento e tecnologia.

Confira a entrevista completa:

O Seminário para produtores de TVs católicas terá o Brasil como anfitrião. O que isso representa para Signis e Rede Século 21?

Pe. Eduardo Dougherty,sj: É muito bom apresentar o que nós temos. Eu acredito que as TVs ficarão muito impressionadas com as coisas maravilhosas que estão acontecendo aqui no Brasil.

Eu tive a possibilidade de ir a quase todas as reuniões mundiais das TVs Católicas. Eu percebo como a benção é enorme aqui no Brasil. Nós temos 12 canais de televisão, e quatro são nacionais, nenhuma outra nação tem isso.

Agora, nós que somos Brasil, que somos grandes, temos que aprender de nossos irmãos. Tem experiências fabulosas das TVs católicas dos outros países que podem nos ensinar muita coisa.

Quais assuntos as TVs Católicas do Brasil poderão partilhar no evento?

Pe. Eduardo: As TVs católicas vão partilhar como nós levantamos fundos, que os americanos sabem, mas os outros não tem todas as tecnologias de levantar fundos que nós temos aqui. A TV Século 21, por exemplo, está produzindo dramaturgia, e nós queremos partilhar nossas encenações dos evangelhos dos domingos, Ano A/B/C, para as TVs do mundo inteiro. É a vocação da TV Século 21 produzir dramaturgia.

Em que as TVs estrangeiras podem contribuir?

Pe. Eduardo: Com música. Quase todas as TVs do mundo estão gravando músicas. Eu acredito que nós podemos colocar em um único banco de programas todas estas músicas do mundo inteiro. E todas as TVs do mundo podem fazer programas musicais, por exemplo, com 70% de música local e os demais com músicas de outros países, em espanhol, inglês ou português.

Em sua opinião, quais os principais desafios para as TVs católicas brasileiras nos próximos anos?

Pe. Eduardo: O grande desafio são os projetos em comum. Todas as TVs do Brasil têm grandes dificuldades em produzir 24 horas de programação. Mas como está escrito em Atos dos Apóstolos 2, depois de uma experiência com o Espírito Santo eles tinham tudo em comum. Um espírito de doar, ajudar, colaborar e compartilhar. É isso que precisamos entre as TVs Católicas. Muitas TVs sabem coisas que as outras TVs não sabem, então esse processo de partilhar é muito, muito importante.

Como Vice-presidente da Signis, como vê a união e partilha de experiências entre as TVs?

Pe. Eduardo: As TVs Católicas do mundo inteiro são meios, e nós somos a Igreja. Então nós somos meios da Igreja. E pelo mundo inteiro nós devemos estar a serviço de nossos bispos, porque as TVs fazem o que as conferências, dioceses e paróquias não vão fazer. As TVs precisam ser cada vez mais entidades que fazem este serviço para a Igreja no mundo inteiro.

Há muitos anos a Igreja Católica dispõe da comunicação como uma eficaz forma de Evangelização. Depois deste tempo de experiência, quais são os frutos colhidos?

Pe. Eduardo: Apenas começamos. Há muito mais para fazer. Certamente agora também pela internet. Porque os jovens estão mais na internet que na televisão. Então, as TVs são fábricas de vídeo e deveriam estar produzindo não apenas para passar na televisão, que é um público de mais idade, mas também para os jovens na internet. O desafio é produzir produtos de valor duradouro, o que realmente os adultos e jovens estão precisando.

Conseguimos fazer muito. Muitas pessoas têm assistido nossas TVs católicas por antena parabólica, TV a cabo ou por assinatura. Podemos fazer muito mais, não há dúvida.

Atualmente, o público católico precisa que as TVs tenham que tipo de conteúdo?

Pe. Eduardo: Eu acredito que as TVs católicas devem produzir educando e evangelizando. Nós estamos preocupados com a pessoa inteira. A parte física, psíquica, toda parte de educação da pessoa, cursos profissionalizantes e da espiritualidade.

Deseja destacar algum ponto?

Pe. Eduardo: Eu gostaria de terminar dizendo que, este encontro de Signis Mundo, de TVs do mundo inteiro, é uma ocasião fabulosa para dialogar, testemunhar e escutar. A benção de Deus é muito grande, e nós devemos partilhar tudo o que nós somos e tudo o que nós temos cada vez mais.