Porto Alegre, 22 de Julho de 2018

Romance 9º

Quando foi chegado o tempo

Em que de nascer havia,

Assim como o desposado,

Do seu tálamo saía

Abraçado à sua esposa,

Que em seus braços a trazia;

Ao qual a bendita Mãe

Em um presépio poria

Entre pobres animais

Que então por ali havia.

Os homens davam cantares,

Os anjos a melodia,

Festejando o desposório

Que entre aqueles dois havia.

Deus, porém, no presépio

Ali chorava e gemia;

Eram jóias que a esposa

Ao desposório trazia;

E a Mãe se assombrava

Da troca que ali se via:

O pranto do homem em Deus,

E no homem a alegria;

Coisas que num e no outro

Tão diferente ser soía.