Porto Alegre, 21 de Julho de 2019

Ideal Carmelita

Aos 21 anos de idade tomou a decisão de entrar no Noviciado Carmelita, que acabava de ser inaugurado em Medina. Assim, iniciou a sua vida religiosa no ano de 1563, e seu interesse e sua vocação religiosa não surpreendeu ninguém, porquanto as suas virtudes excepcionais afloravam naturalmente no cotidiano.

Mas, o fato em si, causou certa perplexidade, em razão de existirem dois convites e pressões vivas e permanentes sobre ele, vindo de outras direções: uma do Hospital, que admirando as suas qualidades, queria que ele se ordenasse sacerdote e continuasse como Capelão servindo ao Hospital; a outra, vinha dos Jesuítas, que apreciando os seus dotes intelectuais, assim como a sua profunda piedade, queria mantê-lo na Ordem.

Mas na verdade, intimamente João já tinha feito a sua escolha, por que lhe atraía e cativava, o espírito contemplativo e a piedade mariana dos Carmelitas. Por isso mesmo, com naturalidade agradeceu o interesse e os convites dos outros, mas permaneceu no seu ideal.

No Noviciado, encontrou efetivamente meio e o ambiente adequado para assimilar o precioso conteúdo daquela tradição espiritual. Em 1564 fez a Profissão de Fé, recebendo o nome de Frei João de São Matias.

E logo a seguir, mudou-se para Salamanca, a fim de cursar a Universidade, fazendo os estudos de filosofia e teologia. Ficou instalado no Convento Carmelita de Santo André. E como sempre, despertou nos irmãos intensa admiração, por sua piedade, por sua vida penitente e sua notável capacidade para os estudos.

Acontece que, a admiração causada pelo brilho de suas virtudes pessoais começou a deixá-lo profundamente insatisfeito. João entrou numa terrível crise! Não uma crise de fé e de abandono da sua espiritualidade, mas uma crise de desconforto, em face do novo ambiente em que estava vivendo. Naquele ambiente acadêmico, somente de estudos, os jovens eram convidados a buscar projeção, títulos e promoções, ferindo o seu sentimento, que gostava do silêncio e almejava um ambiente conventual mais contemplativo, mais dedicado a leitura e as orações. O certo é que, depois de ter vivido um Noviciado sereno no Carmelo, agora na Universidade, entrava numa profunda depressão e então, decidiu buscar outra solução para a sua vida, e começou a pensar seriamente em entrar na Cartuxa.

A Ordem Cartuxa é considerada a mais severa da Igreja Católica. É uma ordem semi-eremítica de clausura monástica e de orientação puramente contemplativa. Foi fundada no dia 15 de Agosto de 1084, Festa da Assunção de NOSSA SENHORA aos Céus, por São Bruno e seus seis companheiros. Os fundadores escolheram uma montanha ao norte de Grenoble Chartreuse, na França, onde construíram o seu Mosteiro, conhecido pelo nome de Mosteiro da “Grand Chartreuse” (a Grande Cartuxa).

Fonte: apostoladosagradoscoracoes.angelfire.com