Porto Alegre, 20 de Novembro de 2019

 Escritora

Teresa de Jesus é uma leitora empedernida desde a sua infância, quando ouve e lê as histórias de santos no Flos sanctorum, e desde a sua adolescência aficionada aos livros de cavalaria, com os quais gasta “muitas horas do dia e da noite” (V 2, 1). Ao longo da sua vida é uma “voraz leitora dos doutos livros religiosos” (Menéndez Pidal).

Começa a escrever sendo adulta, por mandato dos seus confessores e porque sente a necessidade de transmitir a sua experiência às suas filhas, as monjas descalças, e por extensão aos leitores que estudem a sua obra. Os seus escritos são reflexo da sua rica personalidade, da cultura que adquiriu nas suas leituras, da sua experiência de Deus e do seu carisma de Madre. Por outra parte, muitos dos seus textos estão autocensurados, porque a Inquisição vigia os seus escritos, nos quais Teresa transmite a sua experiência pessoal e as suas experiências místicas. Tem consciência também das suas limitações, e como às vezes resulta difícil agarrar a verdade, mas quer sobretudo ser sincera: “Agora e outrora posso errar em tudo, mas não mentir que, pela misericórdia de Deus, nem por coisa do mundo diria uma coisa por outra (V 28,4).

Luis Javier Fernández Fronte