Porto Alegre, 11 de Dezembro de 2019

Frei Constâncio: o grande idealizador

O condutor do movimento espanhol para fundar novas casas no Brasil, foi o Pe. Frei Constâncio do Sagrado Coração de Jesus, fundador dos Carmelitas Descalços, em Montevidéu. Esse sacerdote se pôs em contato com Dom Cláudio Gonçalves Ponce de Leão, Bispo de Porto Alegre, ao Sul do Brasil e próximo ao Uruguai. O rico e extenso Estado do Rio Grande via aumentar cada vez mais sua população e suas riquezas, porém não seu clero, cuja penúria se manifestava na preocupação dos bispos zelosos com o bem espiritual dos numerosos e tão dispersos fiéis a eles confiados. Começaram, então, as negociações, sendo que "D. Cláudio, quando teve ao Pe. Constâncio hóspede em seu palácio, lhe falou das cidades de Uruguaiana, São Borja, Alegrete, Porto Alegre e outras, muito necessitadas do clero, e onde esperava que os Carmelitas haveriam de colher numerosos frutos espirituais".

A visita de Pe. Frei Constâncio foi um êxito e, em demoradas conversações com o zeloso bispo, convenceu-se da conveniência de fundar conventos, primeiramente, no Estado do Rio Grande do Sul ; e em tal sentido, informou aos Superiores, pedindo-lhes licença, a fim de instalar fundações Carmelitas nas paróquias que o bispo oferecia generosamente. Nessa época, D. Cláudio já era Arcebispo de Porto Alegre, pois em 1910 a Sé Apostólica tinha criado, na diocese de São Pedro do Rio Grande do Sul, mais três bispados: o de Pelotas, o de Santa Maria e o de Uruguaiana, elevando, por isso, Porto Alegre à dignidade de Metropolitana, sendo D. Cláudio seu primeiro Arcebispo. Enquanto não se nomearam os novos bispos, D. Cláudio foi feito Administrador Apostólico das três dioceses, sendo por isso ele quem acolheu os Carmelitas Descalços no Estado.

"Os Superiores da Província de Navarra (depois dividida e surgindo Burgos) aprovaram as atividades de frei Constâncio para a fundação de conventos no Brasil. Deve-se salientar a grande figura desse Carmelita, pois " entrou no Estado de Rio Grande com boas recomendações do Cardeal Vives, de D. Bruno Gonçalves Chaves, representante do Governo do Brasil ante a Santa Sé e de outros personagens, para assegurar o êxito dessa importante empresa, na qual tantas almas alcançaram sua salvação eterna. Essas cartas eram de final de e 1910...". Foi organizada, então, a primeira expedição de Carmelitas Descalços, para a nova fundação de Uruguaiana, cidade que frei Constâncio tinha escolhido, por estar na fronteira e mais próxima a Montevidéu, centro e sede de suas atividades.